TELEFONES

Orçamento sem compromisso: Palestra de Vendas, Palestrante de Vendas Curitiba (41) 99995 2061 ou 3015 0040 Palestra Motivacional para Empresas
Palestra de Motivação, Palestrante de Motivação

SALÁRIO DE FOME!

Prof. Osmar Coutinho, acho não... tenho certeza que ganho muito mal !!!
Este é o meu 9º emprego, não consigo ficar muito tempo num único lugar; pois ninguém reconhece o meu esforço.
Trabalho oito horas por dia e não vejo o resultado no final do mês.
Reclamo sim, pois quem “não chora não mama”.
Ganho pouco mas em contrapartida também faço tudo para trabalhar pouco.
O senhor tem alguma dica para quem não consegue pagar as contas no final do mês? Ou quando consegue pagar algumas, outras ficam para o próximo mês?


Caro amigo, fico feliz com sua sinceridade, mas você já apontou involuntariamente a resposta para o seu problema, comum na maioria das pessoas.

Primeiro: é o seu 9º emprego, isto quer dizer que você está sempre a procura do melhor emprego e não trabalha direito em nenhum.
Segundo: tem certeza que ganha mal e não faz nada para mudar.
Terceiro: trabalha oito horas, isto quer dizer que você se preocupa mais com o relógio do que com o seu trabalho.
Quarto: reclama com a barriga cheia, tem um trabalho e não está desempregado.
Quinto: por ganhar pouco, faz questão de trabalhar pouco, isto quer dizer “tenta apagar o fogo com gasolina”.

Então meu amigo, são contínuas as reclamações a respeito da baixa remuneração que como dizem: não dá pra nada!
Ouve-se dizer que o dinheiro que se ganha ao final do mês mal dá para quitar débitos anteriormente assumidos.
O estranho em tudo isso é que, se as reclamações pela melhoria dos salários provém de todas as classes trabalhistas, o que se verifica em questão de qualidade de trabalho é quase o caos.
Não se percebe, falando de forma generalizada, que as pessoas não se preocupam em “realizar bem a sua tarefa”.
Contrata-se um jardineiro para colocar em ordem o jardim e o que se obtém é uma poda mal feita, grama mal aparada, terra mal espalhada pelos canteiros.
Entrega-se uma criança aos cuidados de uma babá e se percebe a má vontade com que segue os passos vacilantes do pequeno, inquieto e vivaz.
Recomenda-se um idoso enfermo a determinado atendente e nos surpreendemos com a forma com que ele é tratado, às pressas, sem atentar para detalhes.
Balconistas apressados, servidores públicos desatenciosos, empregadas domésticas despreparadas e até vendedores impacientes e sem compromisso com metas e com a empresa.
Em todos os lugares nos deparamos com funcionários que somente pensam em olhar para o relógio, no aguardo do final do expediente, atendendo suas tarefas com descuido e até desleixo.
À conta disto, decai a qualidade e trabalhos contratados são concluídos e entregues de forma afoita.
Se digno é o trabalhador do seu salário, é também muito justo que o trabalhador execute o seu trabalho com comprometimento, garra, disposição e cuidado.
Que nos custará, na qualidade de jardineiros, atender à poda devidamente, afofar a terra com carinho? Afinal, as plantas dependem de nós.
Quantos minutos a mais perderemos se nos detivermos junto aos clientes, atendendo as suas necessidades e não simplesmente empurrando produtos/serviços somente por preço, sem qualidade, afim de simplesmente cumprirmos a nossa cota ou meta mensal?
E poderemos acaso nos dar conta da responsabilidade que é zelar pelos passos de um bebê?
Podemos avaliar o quão emocionante é acompanhar o desenvolvimento de um ser tão pequeno, e vê-lo a cada dia vencer mais um obstáculo?
Não importa qual seja nossa profissão, qual seja a nossa tarefa.
O que importa, e muito, é que a realizemos com amor, comprometimento, aprimorando-nos na sua execução.
Quer se trate de lavar uma simples peça de roupa ou lidar com sofisticados aparelhos computadorizados; é necessário que nos conscientizemos de que, tanto quanto desejamos receber dos demais o melhor, compete-nos doar o melhor.

Conclusão:
Portanto, antes de prosseguirmos a reclamar da nossa remuneração, revisemos a real qualidade dos nossos serviços.
Preocupemo-nos muito mais em nos tornarmos excelentes profissionais, o que significa criaturas responsáveis, ativas, competentes, que a nossa remuneração crescerá de acordo com os nossos esforços.


Prof. Osmar Coutinho - Conferencista - www.osmarcoutinho.com.br

Realizamos Palestras abertas ou "in company", consulte-nos sem compromisso e sinta a diferença nos resultados.
(41) 3015-0040 | 9995-2061 - Curitiba/PR | Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.