TELEFONES

Orçamento sem compromisso: Palestra de Vendas, Palestrante de Vendas Curitiba (41) 99995 2061 ou 3015 0040 Palestra Motivacional para Empresas
Palestra de Motivação, Palestrante de Motivação

ESPELHO ESPELHO MEU, EXISTE ALGUÉM MAIS FELIZ DO QUE EU ?

"Sou casado, amo a minha esposa, tenho um filho pequeno que se chama Gabriel, estou trabalhando em uma empresa aproximadamente há uns cinco anos e comprei recentemente a minha casa , em longas prestações, mas confesso professor, que não me sinto um homem feliz e nem realizado. Como o senhor vê essa minha situação?"

Caro amigo, vamos rever a sua história: casado, com um filho, que por sinal tem o mesmo nome do meu filho, empregado, com casa própria e alega que ainda não encontrou a felicidade?
Bem, acredito que você esteja olhando para outro lado! Você precisa enxergar o que está acontecendo em sua volta...
Esta é a real felicidade!!! Este momento com sua família, emprego e realizações profissionais.
Este vazio interior é porque não está valorizando o que já possui.
Existe uma frase que diz: "enquanto algumas pessoas não tiverem passado dificuldade em suas vidas, o paraíso em que vivem nunca será suficiente para elas".

Veja a história abaixo e reflita...

Conta-se que um pai deu à sua filha um colar de diamantes.
Misteriosamente, alguns dias depois o colar desapareceu. Falou-se que poderia ter sido furtado.
Outros afirmaram que talvez um pássaro tivesse sido atraído pelo seu brilho e o levado embora.
Fosse como fosse, o pai desejava ter o colar de volta e ofereceu uma grande recompensa a quem o devolvesse.
A notícia se espalhou e, naturalmente, todos passaram a desejar encontrar o tal colar.
Um rapaz que passava por um lago, próximo a uma área industrial, viu um brilho no lago.
Colocou a mão para proteger os olhos do sol e certificou-se: era o colar.
O lago, entretanto, era muito sujo, poluído e cheirava mal.
O rapaz pensou na recompensa e vencendo o nojo, colocou a mão no lago, tentando apanhar a jóia.
Pareceu pegá-la, mas sentiu escapulir das suas mãos. Tentou outra vez. Outra mais. Sem sucesso.
Até que resolveu entrar no lago. Emporcalhou toda sua calça e mergulhou o braço inteiro no lago.
Ainda sem sucesso. O colar estava ali. Mas ele não conseguia agarrá-lo. Toda vez que mergulhava o braço, ele parecia sumir.
Saiu do lago e estava desistindo, quando o brilho do colar o atraiu outra vez.
Decidiu mergulhar de corpo inteiro. Ficou imundo, cheirando mal e mesmo assim nada conseguiu.
Deprimido por não conseguir apanhar o colar e conseqüentemente não receberia a recompensa...estava se retirando, quando um velho homem passou por ali.
O que está fazendo, meu rapaz?
O moço desconfiou dele e não quis dizer qual o seu objetivo. Afinal, aquele homem poderia conseguir apanhar o colar e ficar com o dinheiro da recompensa.
O velho homem tornou a perguntar, e prometeu não contar a ninguém.
Considerando que não conseguia mesmo apanhar o colar, cansado e irritado pelo fracasso; o rapaz falou do seu objetivo frustrado.
Um largo sorriso desenhou-se no rosto daquele homem.
_Seria interessante meu caro, falou em seguida, que você olhasse para cima em vez de somente olhar para dentro do lago.
Surpreso, o moço fez o recomendado. E lá, entre os galhos da árvore, estava o colar brilhando ao sol.
O que o rapaz via no lago era simplesmente o reflexo dele.

CONCLUSÃO
Nada ruim em desejarmos ter coisas... a forma como as conquistamos é que fará a grande diferença.
Muitas vezes olhamos para a direção errada em nossas vidas. A felicidade está nas pequenas coisas que fazemos e conquistamos e não em riquezas infinitas ou conquistas espetaculares.
A nossa maior riqueza com certeza é nossa família, a saúde, amigos e um emprego digno para que possamos ter e dar um conforto mínimo a quem amamos.

Prof. Osmar Coutinho - Conferencista - www.osmarcoutinho.com.br

Realizamos Palestras abertas ou "in company", consulte-nos sem compromisso e sinta a diferença nos resultados.
(41) 3015-0040 | 9995-2061 - Curitiba/PR | Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.